segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Ele só queria ler

Começaram as aulas de Edificações. Como é o primeiro módulo, ninguém se conhece ainda.

No terceiro dia de aula, adentrou a sala uma coordenadora com uma mulher que gesticulava bastante.

Até entendermos que os gestos eram LIBRAS demorou um pouco, porque ainda não tínhamos nos dado conta de que havia um deficiente auditivo entre a gente.


O surdo dispensou a intérprete. Disse que não seria necessário, pois ele sabia ler lábios. A mulher gesticuladora nunca mais apareceu.


Só que é seguinte, temos quatro professores:

O primeiro não fala muito bem. Tem problemas de dicção assumidos que dificultam a compreensão até de quem tem a audição perfeita.

O segundo fala sorrindo sem mexer os lábios. Mas pelo menos fala alto (fator que é inútil para o nosso colega deficiente).

O terceiro só apresenta a aula no DataShow e, para isso, apaga todas as luzes deixando a sala completamente escura, possibilitando apenas ver o slide e ouvir o som de sua voz (como ninguém consegue escrever, de tão escuro que fica, que dirá ler lábios).



Na última aula, de Desenho Técnico, sentei do lado do deficiente auditivo. Como a professora não tem problemas de dicção e dá as aulas com as luzes acesas, imaginei que seria bom para o meu colega ao lado.

Porém, lá na metade da aula, quando tava todo mundo concentrado nos seus desenhos, o colega me cutuca e pergunta:

- O que é pra fazer?

Nessa hora eu me dou conta de que a gente passa a aula inteira de cabeça baixa, olhando para o papel e seguindo as instruções faladas da professora. Ou seja, ou você lê os lábios dela ou você olha para o papel .


Enfim... foi ele quem dispensou a intérprete.


7 comentários:

Essa Menina. disse...

poxa, Cora.
:~~

Brescia Magalhães. disse...

toma, distraído!
avisa ele q ainda deve estar em tempo de voltar atrás...
e esse povo é bem bem pago...
eu termino meu curso e vou, se ele pagar minha passagem... :D

disse...

Edificações no Cefet?

Sam disse...

e eu achando q vc ia falar q tinha passado a aula traduzindo as instruções p ele...

tsc tsc

n se fazem mais coras cm antigamente

;)

Brescia Magalhães. disse...

e vc vai virar política???

Marcelo Perez disse...

Fala, Corita, muito bom te ler. Ei, faz tempo que não se diz mais deficiente, é um termo pejorativo, traz uma carga negativa muito forte. O legal é surdo como você citou também no seu texto. Soube disso essa semana nas aulas de LIBRAS da UFRR.

Beijocas

Gabriely disse...

rachei de rir ><